Conclusão

A elaboração deste breve trabalho, permitiu-nos a aprendizagem de alguns aspectos que desconhecíamos acerca desta espécie arbórea, com a qual estamos bastante familiarizados, visto vivermos num distrito com extensas e diversificadas áreas de montado, na sua maioria bem conservadas, coexistindo com outras áreas que estão votadas ao abandono. Foi bastante reconfortante desenvolver este trabalho subordinado ao tema "O Sobreiro ", visto que nos toca directamente, pois vivemos num distrito dos mais pobres da Europa e onde a desertificação é um facto evidente. É um distrito do interior de Portugal Continental, onde a população se dedica maioritariamente à actividade agrícola, da qual as receitas da cortiça são de extrema importância para a nossa modesta economia.

Bibliografia

- Roxo, Maria José; Casimiro, Pedro (1999) – "MEDALUS: Mediterranean Desertification and Land Use. Estudos sobre desertificação no Baixo Alentejo Interior – Concelho de Mértola" – GEONOVA, N.º 0, Revista do Departamento de Geografia e Planeamento Regional – U. N. L., Lisboa

- Gonzalez, Gines Lopez (1994) – La Guia de Incafo de los Arboles y Arbustos de la Península Iberica – Ed. Incafo, vol. IV, Madrid

- Natividade (1989) – "A cortiça como um recurso económico português", Dossier Agricultura 92, N.º 9, Lisboa

- Cabral, Maria Teresa (1992) – "Melhores sobreiros, melhor cortiça", Dossier Agricultura 92, N.º 9, Lisboa

- Oliveira, Arlinda L. Franco (1953) – Um estudo em montados de sobro – Estudos e Informações, 6B, 3

- Oliveira, Arlinda L. Franco ( ? ) – Considerações sobre os solos de montado (Sul do Tejo) – S. F., Lisboa

- Salgueiro, Teodósio Augusto (1973) – A contribuição das azinheiras e dos sobreiros para a fertilidade do solo – Gabinete de Planeamento/ Secção de pastagens – Fundo de Fomento Florestal

- Pinto, Maria Elisa; Ricardo, Maria Amélia (1998) – (???)- Internet(http:// www.minerva.uevora.pt/ publicar/ cortica/ index.htm

voltar.gif (991 bytes)